Vulnerabilidade das famílias brasileiras cai 19% em 10 anos

Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) comparando os censos demográficos de 2000 e 2010, concluiu que houve redução média de 19,3% no índice de vulnerabilidade das famílias brasileiras. Em 2000 a vulnerabilidade era de 0,305, e no censo de 2010 o resultado foi de 0,246.

Vulnerabilidade é a incapacidade da família em responder adequadamente, em tempo hábil, a eventos inesperados de ordem ambiental ou social, como inundações, perda de emprego e renda, doença do responsável ou inadequações temporárias da residência e sua acessibilidade.

A análise revela que o estado que apresentou menor diminuição no indicador de vulnerabilidade foi Roraima (12,8%). O Maranhão obteve redução próxima à média nacional, mas tem a maior vulnerabilidade: 0,348. A segunda e terceira colocações permanecem, respectivamente, com Piauí (0,331) e Alagoas (0,328). Estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste apresentaram boa redução, acima dos 20%, e acentuaram a distância em relação à média nacional. O Distrito Federal é o que apresenta menor vulnerabilidade: 0,183.

A região Sul apresentou a queda mais significativa no índice geral, com redução de 22,1% de vulnerabilidade, resultado semelhante ao da região Centro-Oeste (21,9%). O Norte foi a região com menor evolução no período, aproximando-se do patamar da região Nordeste.

Clique aqui e leia o Texto para Discussão nº 1835 – Índice de Vulnerabilidade das Famílias (2000-2010), produzido pelo Ipea.

Fonte: Ipea